domingo, 5 de dezembro de 2010

PETRÓLEO DAS MALVINAS CONHECIDO E OCULTADO DESDE 1975


           
 PETRÓLEO DAS MALVINAS: 
CONHECIDO E OCULTADO  
DESDE 1975

Wladmir Coelho

            Em 1975 uma comissão parlamentar britânica visitava as ilhas Malvinas para levantar os meios necessários para retirar o arquipélago da estagnação econômica. O deputado e geólogo Colin Phipps fazia parte deste grupo levando em sua bagagem os estudos da Universidade de Birminghan a respeito do potencial petrolífero da área. Phipps retornou à Londres convencido da existência de petróleo nas Malvinas redigindo imediatamente um relatório encaminhado ao Ministério das Relações exteriores  informando a existência de um gigantesco campo. A respeito desta descoberta  O pesquisador argentino Federico Bernal em seu livro “Petróleo, Estado y Soberania” destaca uma notícia do Daily Telegraph de 1977 na qual o jornal londrino anunciava a existência de petróleo no nas Malvinas em quantidade superior a encontrada no Mar do Norte.
            Curiosamente nestes nossos tempos de revelações do Wiki Leaks o Daily Telegraph apontava, 33 anos atrás, como fonte da informação um relatório da CIA assim não será surpresa o surgimento, dentre os documentos em poder da ONG, a existência de telegramas  tratando do assunto petróleo das Ilhas Malvinas revelando a face econômica do interesse inglês na região.   
            O controle imperialista do arquipélago inicia-se em 1833 reivindicando a Argentina, desde então, a retomada de seu controle estabelecendo  negociações diplomáticas que arrastaram-se durante anos apresentando o seu momento mais dramático em 1982 quando os dois países entraram em guerra. Terminado o conflito armado os ingleses trataram de impor a sua vontade buscando isolar a Argentina das Malvinas  impedindo o acesso ao potencial petrolífero ampliando a faixa de exclusão de 200 para 350 milhas.
            Em 1996 Colin Phipps retorna as Malvinas desta vez comandando a sua própria empresa petrolífera a Desire Petroleum participando da primeira licitação associando-se, dentre outros grupos, a Shell. No último dia 3 dezembro a empresa do ex-deputado inglês – que segundo jornais de seu país – participou da reunião do gabinete de Margareth Thatcher quando foi declarada guerra à Argentina – experimentou um aumento fantástico no valor de suas ações quando Stephen Phipps – filho de Colin Phipps e atual presidente da Desire – anunciou a “descoberta” de um gigantesco campo de petróleo nas Ilhas Malvinas. Moral da estória: A indústria do petróleo é constituída por oligopólios cuja prática consiste em controlar áreas com potencial petrolífero aguardando o momento adequado para sua exploração obedecendo a política de segurança energética de seus países de origem. O Brasil também experimentou – ou experimenta? – situações semelhantes e desde as denuncias de Monteiro Lobato, a campanha do Petróleo é nosso, instituição e quebra do monopólio esta prática é evidente.    

2 comentários:

wepiana disse...

interessantissimo artigo, Wladmir. Obrigado pela indicação do link.

Antonio Manoel disse...

Parabéns pelo artigo, mais que oportuno, e pelas revelações nele contidas, em analogia à situação do pré-sal no Brasil. Obrigado pelo link. Já estou seguindo o blog.
Cordial abraço.

Arquivo do blog