quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

O IMPERIALISMO LUCRANDO COM A HISTERIA DA 3ª GUERRA






*  O IMPERIALISMO LUCRANDO COM A HISTERIA DA 

3ª GUERRA

* ESTREITO DE ORMUZ: A PASSAGEM CONTINUA 

LIVRE, MAS O CAPITALISMO PREFERE A 

ESPECULAÇÃO

* VAMOS FALAR SÉRIO: QUEM ESTABELECE O PREÇO 

DO PETRÓLEO

* VAMOS ESTUDAR UM POUQUINHO DE HISTÓRIA?

* COM OU SEM GUERRA O BRASIL FRAGILIZADO EM 

NOME DA IDEOLOGIA NEOLIBERAL


POR WLADMIR COELHO 

1 – ESTREITO DE ORMUZ – Localizado entre Omã e Irã o estreito de Ormuz liga o Golfo Pérsico ao Golfo de Omã e este ao Mar Arábico por esta rota foram transportados em 2018 21 milhões de barris de petróleo ao dia o equivalente a 21% do consumo mundial. (Dados do US Energy Information Administration - EIA)

2 – O que acontece caso ocorra uma interrupção no trânsito de petróleo no Estreito de Ormuz? a distribuição do petróleo produzido no Oriente Médio não será paralisada, contudo; “A incapacidade de o petróleo transitar no estreito de Ormuz, mesmo que temporariamente, pode levar a atrasos substanciais na oferta e consequente elevação nos custos de transporte, resultando em preços mundiais mais altos.” (EIA)

3 – Até o momento não existe nenhum impedimento por parte do Irã relativo a passagem de navios petroleiros pelo Estreito de Ormuz, todavia as empresas petrolíferas, incluindo a Petrobras, resolveram alterar as rotas elevando, por consequência, os preços do transporte.

4 – Devemos ainda observar o seguinte: a política de preços do petróleo ou qualquer commodity não encontra-se regulada, exclusivamente, por questões relacionadas aos custos de extração e transporte.

5 – Precisamos recordar que o petróleo encontra-se na base da produção convertendo-se em fonte de energia e matéria prima para diferentes setores industriais desta forma o controle de sua produção e distribuição constitui aspecto estratégico e segurança nacional.

6 – Os preços das comodities, incluindo petróleo, encontram-se naturalmente submetidos ao seu valor estratégico tenha esta a condição de fonte de energia, matéria prima ou mesmo alimentar, contudo inexiste uma regulamentação internacional a este respeito no sentido de fazer prevalecer os interesses do progresso da humanidade diante dos interesses meramente especulativos.

7 – O interesse maior em relação aos preços do petróleo encontra-se, como qualquer outra commodity, associado aos interesses do lucro dos grandes negociadores de títulos, ações ávidos por aproveitar qualquer possibilidade de elevação de seus ativos de papel criando crises sucessivas incluindo a histeria de uma Terceira Guerra Mundial mesmo que esta ainda permaneça no campo da simples possibilidade.

8 – A situação de ameaça da normalidade do fornecimento de petróleo não representa uma novidade apresentando-se durante a Segunda Guerra Mundial, depois em 1956 após a nacionalização do Canal de Suez, no ano de 1974 durante a guerra pela retomada dos territórios ocupados por Israel e 1979 em decorrência da intervenção estadunidense contrário ao avanço da revolução iraniana.

9 – A soma destes episódios constitui elementos suficientes para a constatação da necessária elaboração de uma política de segurança energética nos diferentes países e assim procederam os europeus, estadunidenses e brasileiros.

10 – Os Estadunidenses, detentores das maiores empresas petrolíferas, adotaram as seguintes práticas: constituição de uma reserva petrolífera, proibição da exportação de petróleo nacional (este ato vigorou durante 40 anos e foi suspenso em 2015) somados ao estímulo à exploração do xisto e elaboração de uma política externa de controle das principais áreas produtivas do mundo através da presença de suas empresas elevando este fato a questão de segurança nacional, ou seja, a restrição a participação de uma empresa estadunidense no processo de exploração petrolífera em qualquer país é entendida como uma espécie de declaração de guerra.

11 – No caso brasileiro, por motivos óbvios, não foi possível aplicar os métodos imperialistas utilizados pelos Estados Unidos e potências europeias restando adotar o caminho natural do controle estatal da importação, produção, refino e distribuição resultando esta prática na criação da Petrobras através da Lei 2004 assinada em 3 de outubro de 1953 pelo presidente Getúlio Vargas.

12 – A Lei 2004 garantia o monopólio estatal do petróleo e determinava a Petrobras como empresa responsável por sua aplicação garantindo, desta forma, a segurança energética nacional.

13 – Percebam neste caso o alcance desta medida em relação ao enfrentamento ao imperialismo e não foi sem motivo que ato continuo o presidente Vargas foi levado ao suicídio, o presidente Goulart, após nacionalizar as refinarias e disciplinar a importação de petróleo, foi derrubado por um golpe militar em 1964 tratando estes golpistas de “flexibilizar” o monopólio estatal através dos chamados contratos de risco.

14 – Nos anos 1990 Fernando Henrique Cardoso enterrou de vez o monopólio estatal – e vejam o quanto este senhor ainda é festejado internacionalmente e internamente sempre apresentado como o modernizador da economia nacional não passando, na verdade, de um entreguista.

15 – Em 2006 a Petrobras anuncia a descoberta do pré-sal uma gigantesca reserva petrolífera ainda parcialmente delimitada e a cada dia mais distante do controle pleno dos interesses brasileiros. Esta descoberta é atualmente alvo da destruição entreguista impedindo o imperialismo a utilização de seu poder econômico para o desenvolvimento nacional.

16 – VOLTANDO AO ESTREITO DE ORMUZ – O simples anúncio de uma guerra – que ainda não há – converte-se em meios de ganho aos especuladores detentores dos fundos de investimentos internacionais – estes que somente até novembro passado retiraram do Brasil US$ 27,15 BILHÕES! – através da jogatina nas bolsas de valores.

17 – Enquanto isso o governo brasileiro permanece inoperante e não apresenta um plano para a garantia da segurança energética e alimentar – lembrai-vos dos sucessivos aumentos do gás de cozinha – expondo o nosso povo a toda espécie de perigos e provações ameaçando a reduzida produção industrial nacional diante do eminente aumento dos transportes sem falar da matéria prima necessária aos ainda sobreviventes setores de nossa indústria.

18 – Ainda não tenho notícias de uma proposta alternativa – emergencial – ao modelo entreguista do atual governo brasileiro e acredito que precisamos superar a fase dos “memes” e mesmo da histeria diante de uma eventual guerra e partir para ações concretas de proteção da economia brasileira e sem medo exigir a nacionalização dos nossos recursos minerais.      

Nenhum comentário:

Arquivo do blog